Cultura

A Alemanha precisa de filhos!

 É assustador afirmar, mas a Alemanha realmente precisa de filhos! Aqui na Alemanha, a ideologia dominante é a de que criancas com menos de 3 anos só devem permanecer em companhia de suas próprias maes. Esta situacao acabou provocando na sociedade um dilema mais que retrógrado: a necessidade de uma mulher “seguir a carreira” ou “criar filhos”.

Diante desse quadro, uma boa parcela da populacao opta pelo nao à maternidade e paternidade, fazendo com que a taxa de natalidade no país tenha se reduzido a ponto de prejudicar, a médio e longo prazo, a economia.

Bom, essa história acima eu li no jornal online “Deutsch Welle”, mas sinceramente a justificativa nao “cola”… Observando a vida das mulheres alemas e, inclusive, questionando sobre este assunto, vejo que os reais motivos vao muito além do que foi explanado acima.

As mulheres alemas, assim como as brasileiras, ganharam o direito de entrar no mercado de trabalho e lutar pela sua ascencao. Levar a mulher para fora de casa foi apresentar à ela o mundo e todas as possibilidades que existem nele, até entao “desconhecidas”. A partir daí, a mulher antes responsável integralmente pela continuidade da espécie e pelos cuidados com sua casa, entende-se como um ser capaz de ir além da gaiola. Isso é ótimo! Essa mulher deixou de ter como prioridade sua família ou ter filhos, essa mulher quer viajar, quer estudar, quer trabalhar, quer passear com amigas, quer escolher seu parceiro, quer desfrutar da sua vida como nunca antes pode fazer!

A diferenca entre as brasileiras e as alemas fica por conta de como a independencia veio. As brasileiras brigaram (e muito), pois foram despertas por “pensadoras” fortes o suficiente para mostrar o quanto a igualdade entre homens e mulheres era importante (embora ficticia). As alemas foram obrigadas a serem independentes através da dor da perda, pois nas guerras muitas foram deixadas pelos seus maridos. Os homens “abandonaram” suas mulheres e essas tornaram-se “homens e mulheres” de uma sociedade destruída.

Além disso, no pós guerra foi considerado por muito tempo um tabu falar sobre a necessidade de ter filhos, uma vez que no governo nazista esse era um ponto considerado sempre primordial: filhos para virarem soldados e para darem continuidade a raca pura ariana. Hitler criou um programa, o qual incentivava as mulheres a gerarem o máximo de criancas possíveis no período de sua ascencao. Sendo assim, após o término dessa trágica passagem histórica, todos na Alemanha evitavam falar sobre isso ou ver isso como uma necessidade para repor os soldados mortos em conflitos. Já outros países, como por exemplo a Franca, foram no sentido oposto. O entao presidente Charles de Gaule pediu publicamente 12 milhoes de bebes às francesas no pós guerra, acao que pode ter garantido o quadro confortável atual na Franca em comparacao com a Alemanha. Além disso, a Franca oferece desde há muito tempo creches, a fim de que suas mulheres possam ter onde deixar seus filhos durante o horario comercial, o que nao acontece AINDA na Alemanha.

Na verdade o governo tem criado várias acoes para incentivar a “prática metelânica”, mas nenhuma parece efetiva até agora. Pra quem está desempregado esses incentivos públicos sao um prato cheio, pois o governo ajuda financeiramente e nao há comparacao com o nosso conhecido bolsa família. Aqui poderiamos chamar de “casa familia”, pois o valor é muito superior ao bolsa familia e nao precisa estar desempregado pra ganhar, basta ter um filho e tá garantido 154 Euros (260 reais) na conta do casal até os 18 anos da “crianca” e, se esta desejar fazer um estudo universitario, a ajuda se prolonga até os 27 anos! Paraíso nao!?!?!? Mas essa acao somada à tantas outras de cunho financeiro nao surtiu o efeito esperado, pois o que falta mesmo é dar a base para que as mulheres possam tanto trabalhar quanto serem maes ao mesmo tempo. E isso ainda nao foi efetivamente feito. Eles tem planos de aumentar as vagas nas creches e abrir novas, além de prorrogar o prazo de permanência das criancas que hoje é de meio periodo apenas, mas há uma grande corrente feminista contra essa acao, o que parece empatar, literalmente, “a foda”. Muitas alemas sao conservadoras e julgam mal mulheres que tem um filho e, tres meses depois, “despejam” este em uma creche com pessoas “desconhecidas”. Sao, sem brincadeira, mal vistas quando voltam ao trabalho e sofrem muito preconceito.

Essa falta de “reposicao” populacional está quebrando literalmente o sistema de previdência social da Alemanha, pois os velhinhos aqui ganham uma aposentadoria invejável, mas diminui cada vez mais o número de contribuidores ativos que mantém essa “poupanca” do governo. E é só porisso que o governo está tao mobilizado para mudar essa situacao e nao porque eles gostam de criancinhas ou de ver seu povo tendo orgasmos multiplos! “Quatsch!” (trad.: palhacada, piada…)

Nao é uma situacao fácil e muito menos solucionavel. Segundo pesquisadores alemaes nao é possivel mais reverter o quadro atual alemao, onde uma grande maioria é idosa e/ou profissionalmente “inativa” e há cada vez menos criancas e jovens. O governo sabe do problema, mas parece nao ter pressa em resolvê-lo (acho que também nao sao muito chegados na coisa…ihihihi…). Enquanto isso os alemaes vao tendo que se acostumar com o “enxame” de estrangeiros em seu país e com eles, seus filhos, netos, bisnetos, sobrinhos e etc. Só mais um motivo para eles nao gostarem de estrangeiros… afff… E pior (para os alemaes) os filhos de estrangeiros também tem direito sobre essas ajudas do governo e, como muitos nao tem um bom emprego, mandam ver que nem coelho! A coisa mais comum por aqui é ver uma turca entrando no onibus com 4 ou 5 criancas a tira colo! Acho que a salvacao seria as alemas conversarem mais com as turcas, pois acho que embaixo daquela burca (lenco que deixa só rosto à mostra) tem muita coisa pra ensinar… hehehehe….

[pinit count="vertical"]

4 Comentários para "A Alemanha precisa de filhos!"

  1. Alessandra disse:

    Eeehhh, Maira!
    Pra variar, sempre me fazendo rir com as suas escritas e descobertas.
    Menina, não sabia qua a história da Alemanha não ter crianças e jovens era por causa disso….
    Vivendo e aprendendo…
    Meu, acho que vc tem que conseguir um emprego na Globo qdo vc vier pra cá e fazer viagens pelo mundo e escrever os retratos e relatos dos países…
    Pq vc tem uma sensibilidade e perspicácia fora do comum…
    Mais uma vez…PARABÉNS!!!!!!!!!
    Um beijão
    Saudades
    Alê

  2. Haline disse:

    Minha amiga, tenho dado boas risadas com seus textos!!! São óootemos!!

    Estou em Stuttgart há 15 dias (vim para passar 1 ano) com marido e filha. Encontrei seu blog buscando informações sobre a cidade.

    Abs

    Haline

    • Maira disse:

      Oi Haline! Q nome diferente!!! AMEI ! Adorei ter entrado em contato, quem sabe nao nos encontramos um dia, hein!? E fico feliz de estar trazendo um bucadinho de alegria pra vc. De verdade! Bjks e seja bem-vinda!

  3. Fernanda disse:

    Minha família foi vítima dessa prática por 2 gerações.Gostaria de saber mais a respeito,sobre a reportagem da Deutsche Welle.

    Obrigada,
    Fernanda

Deixe seu Comentário





* Campos de preenchimento obrigatório