Pra ler

Penso, logo penso e penso muito. É tanto pensamento, tantas análises, tantas reflexões que é preciso transbordar e eu transbordo em palavras. Esse é aquele espaço onde você poderá encontrar respostas, novos questionamentos, similaridades ou simplesmente algo que te diga nas entrelinhas: você merece ser feliz!

A democratização vs. banalização do viajar

Festa de aniversário de uma Romena, no meio de um monte de Romenos, na Romênia. São as pessoas que fazem a viagem! Festa de aniversário de uma Romena, no meio de um monte de Romenos, na Romênia. São as pessoas que fazem a viagem!

“A lição dos viajantes de verdade não está nas imagens armazenadas em cartões postais, nas historinhas de percalços, (…). A grande viagem é sempre para dentro e não acaba nunca. Melhor que chegar (…) é a travessia”.

Muitas vezes, conversando sobre viajar com outros viajantes, chegamos no tópico abordado neste post. É um tópico delicado, pois é preciso ser ponderado para não achar que o fato de viajar hoje ser mais acessível, deva ser motivo para julgar quem viaja “certo” ou quem viaja “errado”.

Acho que todo mundo tem o direito de aproveitar a viagem do jeito que quiser, MAS acho uma pena observar o comportamento de alguns viajantes que veem uma viagem apenas como a oportunidade de ampliar portfólio, mas que perdem a oportunidade de fazer da viagem uma experiência de vida o que, de fato, é.

“O maior castigo é não poder voltar para casa.” – Falando aqui sobre a história de Caim e Abel, onde Abel (após matar Caim) foi “condenado” pelo pai a viajar para sempre.

Como muitas coisas hoje em dia, viajar se tornou democrático. Para viajar não é mais preciso passar uma vida inteira economizando ou “casar com homem rico ou diplomata”. Para viajar, basta se desapegar, pegar carona ou financiamento, arrumar as malas e bon voyage!

E, talvez por causa dessa facilidade de ir, voltar e ir de novo, muitas pessoas começam a viajar por viajar e só. Este perfil do “novo” viajante quer descansar, quer fugir, quer ir para algum lugar longe de sua realidade (que geralmente incomoda), quer poder contar para os amigos que já foi ali e aqui, querem poder dizer que o que fizeram ninguém fez, querem alimentar o ego, querem status. Esse perfil de viajante me deixa triste. De verdade.

“Os destinos mais convencionais e os alternativos só diferem na rota, no planejamento e, talvez, no meio de transporte, mas a sensação é a mesma: a felicidade está do lado de lá”

Aliás, fico imaginando como os conquistadores da época das grandes navegações ficariam tristes também em ver que muitas pessoas não entendem que viajar é muito mais do que uma conquista geográfica e/ou territorial. O homem que viaja tem a oportunidade de ampliar seus horizontes da forma mais completa que existe, tendo contato com o desconhecido, com o intrigante, com novos referenciais, novos valores. Tudo isso é muito mais importante do que o destino em si, muito mais importante do que os prédios, as praias, os restaurantes, os parques que irá visitar. O mais importante em todo e qualquer destino são as pessoas, suas histórias e os valores que sua sociedade transporta.

Não vejo nada de errado em usar a viagem como uma válvula de escape, mas também não vejo sentido em atravessar o oceano para buscar SÓ isso, a fuga. Acho isso mais triste e vazio do que qualquer vida pode estar. Eu nunca viajei pra fugir de nada, ao contrário, sempre viajo quando estou buscando algo, vou de encontro ao que quero ser, ao que quero ver. E, uma prova disso, são meus posts sobre minhas viagens. Quem me “lê”, percebe que meus relatos são 70% ser humano e 30% guia turístico. Pra mim em toda e qualquer viagem o mais importante sempre será o que ela me faz sentir e perceber, muito além de ver ou fotografar.

Viajar é uma benção, uma conquista, um presente. Então, queridos leitores e leitoras, toda vez que esse presente lhe for dado, desembrulhe devagar, com carinho, preste atenção em como o laço foi feito, observe a forma do pacote, sinta a textura do embrulho, sinta o cheiro, guarde as cores e, por fim, sempre agradeça.

Viajar é direito de todos e isso é delicioso. Agora viajar por viajar é banalizar. Por isso vale lembrar que melhor que um guia turístico, são as coisas não palpáveis ou mensuráveis da vida que a alma de um viajante leva e traz. Pense nisso e bon voyage! :D

* Os trechos em laranja são de uma crônica do jornalista João Paulo (Revista Ragga) que meu cunhado me enviou de presente por email, sendo que você pode ler esta clicando aqui e indo para a página 80. Viaje nessa e, da próxima vez, viaje com a alma! *

[pinit count="vertical"]

4 Comentários para "A democratização vs. banalização do viajar"

  1. Jane disse:

    Olá Maira! Bom dia!
    Vamos passar o natal e Ano Novo na Europa, mais especificamente em Stuttgart com amigos brasileiros e o reveillon em Portugal. “Navegando’ em busca de locais para conhecer, cidades alemãs, temperatura no inverno encontrei seu blog, e amei!
    E estou no início da exploração… Li sobre Rothenburg ob der Tauber e adorei as fotos. Já inclui no meu roteiro.
    Se eu pudesse te daria um mapa mundi de parede…
    Prazer em conhece-la ‘virtualmente’!
    abs

    Jane

    • Oi Jane! Stuttgart é uma delícia… sou suspeita pra falar porque tenho ótimas recordações e muitas saudades de alguns “cantinhos” de lá… Rothenburg ob der Tauber é um encanto, principalmente na época de Natal… Sobre o presente, meu melhor presente é receber comentários tão fofos e cheios de boa energia! Obrigada! Boa viagem e se precisar de dicas, me escreva, tá? Bjks!

  2. Hélio W. Cionek disse:

    Olá Maira!
    Me permita uma correção. No texto em laranja do Jornalista João Paulo onde afirma que Abel matou Caim é o contrário. Foi Caim quem matou Abel. (Gênesis cap. 4 vers. 8).

  3. Fafá Roque disse:

    Amei o post!
    VIAJAR, significa sair da zona de conforto. É o momento de experimentar novos sabores, conhecer uma cultura diferente, aprender um pouco de história e geografia, adquirir respeito pelo próximo e pelo meio ambiente e entender que, existem diferentes maneiras de ver o mundo e viver a vida.
    Vamos nos permitiiiir!
    Beijos!!!

Deixe seu Comentário





* Campos de preenchimento obrigatório