Cultura

DESEJANDO SORTE: aperte o dedão e tá dado o recado

Quem me conhece, sabe que penso demais e fico buscando relação em tudo e, até mesmo, no nada. E, pra piorar, casei com um mineiro que também adora buscar similaridades em coisas e palavras. Não, vocês não tem noção os papos “abstratos” que rolam aqui em casa. (((-:

              daumen_druecken_350         

Ontem mesmo estávamos falando sobre a expressão que os alemães falam e com o gesto que fazem quando vão te desejar sorte para uma finalidade específica. Eles dizem: “Ich drücke dir die Daumen” (eu aperto meu dedão pra/por você) e eles apertam o dedão com todos os outros dedos, conforme figura ao lado. 

 

180px-gesture_fist_with_thumb_through_fingersNo Brasil, a princípio, a gente pensou que era totalmente diferente o costume de “fazer figuinha”, mas se pensar bem, não é tão diferente assim. Nós dizemos: “Tô fazendo figa/figuinha pra/por você” e TAMBÉM pressionamos o nosso dedão. Só que ao invés de pressionarmos ele com todos nosso dedos, pressionamos ele entre dois dedos, conforme ilustração ao lado. Eu NUNCA tinha pensado nisso, mas o Rô pensou e isso mudou minha vida! (((-:

E, eu posso acreditar, que a origem dessa expressão verbal e corporal é a mesma, pois esse costume alemão surgiu em Roma e foi difundido por toda europa e, nós, fomos colonizados por um país europeu. A-há!

A origem disso pode estar relacionada a um gesto praticado durante os jogos de gladiadores na Roma antiga, nos quais os expectadores podiam pedir clemência para um lutador caído através do gesto de prender o dedão por entre os dedos (você pode ver isso no filme “Gladiador”).

A prática foi ainda observada na idade média, quando as pessoas faziam o mesmo gesto para espantar bruxas e demônios, o que está relacionado com o significado de hoje em dia (talvez na Alemanha, de onde tirei esse texto), onde as pessoas prendem (ou apertam) o dedão quando estão em situações ruins ou ameaçadoras. Mas essa versão eu achei meio fantasiosa, pois quando eu estou nessas situações eu gritou, choro ou chamo a polícia. De que adianta apertar o dedão, meu Deus! Tá bom, também não adianta chamar a polícia. Enfim.

Então é isso: aperte o dedão que o recado tá dado. Dessa forma você não precisa se preocupar em aprender a dizer “Boa sorte!” em todas as línguas. Aperte como a gente no Brasil e, se a pessoa não te olhar amistosamente, aperte como os romanos e tenho (quase) certeza que ela irá entender. E viva a comunicação através dos sinais! ALIÁS, eu acho que a língua oficial internacional deveria ser a língua dos surdo-mudos. Ai sim seria universal e, vamos combinar, muito mais fácil do que ter que aprender a falar qualquer outra língua. (((-:

Leia a fonte dessa informação, se entender alemão, aqui.

[pinit count="vertical"]

2 Comentários para "DESEJANDO SORTE: aperte o dedão e tá dado o recado"

  1. Alessandra disse:

    Adoro estes encontros com a cultura, ainda mais da forma que aconteceu, DO NADA, VIAJANDO…rsrsrsrs

    Claro que no fim vc teve que fazer a sua gracinha e eu não tive como conter o riso.
    Valeu por mais esta viagem maravilhosa. Que bom que continua assim, mesmo tão longe…

    Um beijão
    Saudades
    Ah, estou torcendo para o seu mestrado, me avise quando souber o resultado, ok?
    Alê

    • Maira disse:

      Oi Lê! Sempre q tenho essas viagens, lembro de quando a gente viaja juntas, lembra? Pareciam duas doidas no lab procurando explicacoes para o universo… hahaha… Saudades! Bjs!

Deixe seu Comentário





* Campos de preenchimento obrigatório