Idioma

Enrolando a lingua

 

Falar uma nova língua, quando precisa-se dela para sobreviver, é algo maior do que simplesmente “aprender”, você se torna capaz de criar novas formas diárias de comunicacao e muitas vezes se supera nessa eterna criacao.

Trago para esta breve amostra alguns exemplos do que eu e meus colegas estrangeiros na Alemanha somos capazes de fazer para conseguir nos comunicar. Após alguns meses percebemos que o homem precisa, de verdade, de muito menos palavras do que nós criamos para se conseguir alcancar um bom e, muitas vezes, divertido diálogo. E mais, aprendemos efetivamente que é errando (e rindo dos seus próprios erros absurdos) que se aprende!

Antes de continuar a ler é importante que consiga se imaginar aprendendo uma nova lingua, ou seja, voce é como uma crianca de 3-5 anos (ou menos) e precisa explicar algo para alguém que está na mesma situacao que você.

Imagina por exemplo, ter que explicar que alguém se parece com a Cinderela, usando a Branca de Neve como referencial. Pois isso aconteceu comigo…

Sai com uma colega francesa uma certa noite e, pra piorar, tomamos uma garrafa de vinho. De repente ela comeca a rir compulsivamente olhando para um casal que está sentado do nosso lado. Pergunto porque ela esta rindo tanto. Ela me diz que o casal tem uma aparencia comica, parecendo com “alguma coisa” (essa é a minha definicao para o que ela disse, pois eu nao entendi bulhufas!). O show de criatividade comeca justamente nessa “alguma coisa”. Eu disse que nao fazia a menor ideia sobre quem ou o que ela estava falando, pois ela tinha falado como se chama em frances com aqueeeele sotaque que só por Deus! Ela disse que era impossível eu nao conhecer, pois era uma historia conhecida mundialmente para criancas . Ai ela comecou a tentar me explicar… olha o drama das “sem palavras”:

Ela: “Sabe aquela mulher que morava com sete homens pequenos?” / Eu: kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk (respiro)… Sei, sei… a Branca de Neve! (Ai eu pensei: “Ufa… tudo esclarecido agora!”). / Mas, ela me vira e diz: “Isso! Isso! Mas nao é essa nao, é uma outra! Entao… tem essa história e tem uma outra, onde a mulher perde o sapato, tem uma carruagem…”. / E eu, mais uma vez, inacreditavelmente, adivinho…: “Ahhh…. aquela moca que perde o sapato e que depois recebe o sapato de um principe e ai ela passa de faxineira pra princesa??? Sei… sei…”. / Ela: “isso…isso…. esse casal se parece com essa mulher ai….” / Eu e ela: kkkkkkkkkkkkkkkkk

Entenderam? Nao!?!??! Impossível… kkkkk… Enfim, nesse dia valeu o treino da criatividade, mas, de verdade, até hoje nao encontrei nenhuma semelhanca com aquelas pessoas e a Cinderela… enfim… A gente pode nao concordar com a semelhanca, mas eu consegui entender o que ela queria dizer e esse é o objetivo nessa fase maternal!!! Se fazer entender… ahhh… e entender quando te xingam também é vital!!!! kkkkkk

[pinit count="vertical"]

Nenhum Comentário para "Enrolando a lingua"

  1. Alessandra disse:

    Bom, não sei se mais alguém leu e entendeu, mas que eu me diverti, ah isso sim..
    E não estou rindo pq vc é minha amiga.
    Meu, só te conhecendo para imaginar, não idêntico, mas bem próximo como foi esse diálogo.
    Não tenho idéia como é estar em um lugar que ninguém entende a sua língua e nem vc a deles. Imagino que vc deve ter sofrido muito, mas o legal é que vc encara tudo, quer dizer, quase tudo, com muita diversão e rir dos erros cometidos, são atitudes muito nobres e muito raras de encontrar nas pessoas…
    Parabéns
    Um beijão
    Saudades
    Alê

  2. ane helloisa disse:

    muito legal

Deixe seu Comentário





* Campos de preenchimento obrigatório