MBA

MESTRADO – O primeiro mês e (já) a primeira prova

Quando escrevi sobre a primeira semana de mestrado tudo estava colorido e feliz, mas após a primeira semana a coisa comecou a ficar um pouco “cinza” pro meu lado. E agora? Agora tá tudo colorido de novo, afinal tô de férias por duas semanas! (((-:

Pois é. Na primeira semana estava todo mundo simpático e disposto a ajudar e demonstrando nao ter nenhum problema com o fato de que meu alemao perto do deles é péssimo e também com o fato de eu nao ter nenhuma experiência na área de Marketing. Logo de cara, já me enturmei com um grupinho de pessoas bem bacanas e estrangeiras (exceto a garota do Laos, que nasceu e cresceu na Alemanha). E meu primeiro “probleminha” relacionado à adaptacao comecou justamente com essa garota. Ela é muito fofa, mas aos poucos foram aparecendo suas raízes na cultura alema e ela comecou a ficar estranha comigo. Me senti muito mal quando percebi que ela comecou a se afastar, pois me deu a nítida sensacao de que ela estava se afastando de mim, justamente por eu meio que “só atrapalhar”, ou seja, nao agrego nada para ela e nem para ninguém ali. A única coisa que tenho a oferecer é minha amizade e simpatia, mas nao me parece que é isso que eles buscam ali.

Percebi que ela comecou a se afastar e fiquei muito triste com isso. E de repente fui percebendo cochichos entre ela e outras meninas e também fui comecando a perceber cochichos em outras rodinhas que olhavam pra mim enquanto cochichavam. Me senti no ginásio de novo, ou seja, no meio de um monte de adolescentes imaturos. A diferenca é que eu nao sou mais adolescente e muito menos imatura. Percebi isso e me senti realmente mal, mas decidi após alguns dias de choro tocar a bola pra frente e agir como se eu realmente nao precisasse deles. Resultado: funcionou! De repente minha colega voltou ao normal e outras pessoas comecaram a tentar se aproximar também. Acho que perceberam que eu nao PRECISO deles e isso fez eles (talvez) ficarem curiosos ou me admirarem. Sei lá, só sei que minha ténica “alema” de indiferenca funcionou.

Outra coisa que fiquei muito decepcionada foi em perceber que muitos dos alemaes que estao no meu grupo sao falsos e eu achava que alemaes eram super sinceros. Por isso, cuidado quem ainda acredita nisso. Existem sim muitos alemaes que sao DIRETOS, mas nao necessariamente sinceros. É bom saber distinguir uma coisa da outra. E o que fazer sabendo disso? Entrar no jogo, pelo menos até o final de um período necessário.

Isso mesmo. Tudo nao passa de um jogo e se você nao encarar assim, vai demorar para sair dele e ainda vai sair sozinho e com uma péssima nota. Decidi entrar no jogo. Procuro ser o mais solicita possível (o que eu já sou por natureza) mesmo que tenha que receber patada ou que tenha que ser ignorada. Tento fazer a minha parte. Se vejo algo rolando na sala sobre provas ou projetos já me enfio no meio da rodinha e nao tô nem ai com as caras de “iiiiihhhh chegou a penetra!”. Uma coisa que ficou muito clara pra mim é que nao importa se você é meu amigo ou nao, se você nao tiver nada a oferecer de forma pratica em um trabalho/projeto, você está fora do meu grupo. Isso mesmo! É cruel, mas é assim que percebi que as coisas funcionam por aqui e acho que é por isso que minha colega do Laos comecou a tentar se afastar de mim, afinal na prática nao tenho muito a oferecer (isso é o que eles pensam…hahaha). Fiquei muito assustada ao perceber isso, pois lembro que no Brasil eu escolhia os integrantes de um grupo baseada na nossa amizade/coleguismo e nao no nível de QI de cada um ou coisa parecida. Cruel, mas aqui isso é realidade.

Quando tive certeza disso? No dia em que tivemos que montar grupos de estudo para a prova que fizemos na semana passada. Eu fui (pasmem) convidada por 2 grupos diferentes, mas tenho certeza que é só porque sou simpática e persistente, caso contrário eu ia ter que estudar com o livro e olhe lá. Mas percebi um monte de gente sendo excluida, ou melhor, nem convidada. Adivinha? Eu comecei a convidar todas essas pessoas para o nosso grupinho e foi ótimo. Nosso grupinho se reuniu no domingo pra estudar e eu cheguei apavorando, pois tinha já estudado horrores na sexta e sábado anteriores. Foi engracado, pois percebi que depois disso as pessoas comecaram a me dar mais crédito e comecaram a querer ouvir o que eu tinha pra dizer. Esse caminho até o reconhecimento custa caro (vááárias horas de estudo e muita cara de pau), mas vale a pena.

Além desse probleminha de ordem “pessoal”, tive um outro problema de ordem “intelectual”. Nas duas primeiras semanas durante as aulas a gente só tinha que ouvir e, na medida do possível, eu estava até que me saindo bem, ou seja, eu estava entendendo cada dia mais. Mas na terceira semana veio o choque, comumente chamado de “cálculo feito em sala de aula”. Nunca me senti tao burra na minha vida! Calma. Já me recuperei e sei que nao sou burra, mas no dia foi difícil nao me sentir assim. Tivemos que fazer um exercício de cálculo e quando eu li aquelas variáveis todas em alemao me deu um bloqueio assustador e eu simplesmente nao sabia nem por onde comecar e, o pior, eu já estudei isso na faculdade na matéria Enga. Econômica, mas nao vinha. E, pra piorar, as duas meninas do meu lado comecaram a debulhar nos cálculos e viram que eu nao estava fazendo nada, mas nem me perguntaram se eu queria ajuda, simplesmente comecaram a discutir sobre o que cada uma tinha feito comigo ali (a burrilda) no meio delas. Eu fui ficando pequena, minúscula, microscópica. Queria sumir dali! Saindo da aula fui no banheiro segurando o choro e quando voltei a Karuna (Laos) me perguntou onde eu estava, pois eles estavam me esperando pra almocar e eu tinha simplesmente sumido. Nao aguentei, desabei a chorar ali mesmo no meio do corredor. Ela me disse que eu nao era burra, mas sim quem pensa que eu sou. Além disso, mesmo me conhecendo apenas duas semanas, ela disse algo perfeito pra mim: “Você tem que parar de se cobrar tanto, pois a sua situacao aqui é muito mais difícil do que pra qualquer um de nós que já vivemos na Alemanha há muitos anos.”

Depois desse dia, decidi pegar leve comigo e realmente tentar me cobrar menos. Sei que no final-de-semana seguinte à esse fato estudei muito e tentei entender aqueles cálculos em português primeiro e depois ver a nomenclatura alema, pois sabendo o raciocínio nao há língua que te impeca de fazer uma conta. Deu certo!!! Deu tao certo que na última semana teve uma situacao com cálculo onde EUZINHA ensinei as meninas do meu lado!!! Aquilo foi a glória pra mim. Vocês nao fazem idéia da minha alegria. ((((-:

Bom, depois disso as coisas comecaram a ficar mais tranquilas. A única coisa que ainda me incomoda é esse “jogo”, pois apesar de ter aceitado jogar eu prefiria era nao ter que jogar. Me dói na alma aceitar certas coisas, mas se eu nao pensar que é só por 3 semestres posso colocar tudo a perder e isso eu nao quero. Vou ser forte e se Deus quiser vou descobrir que existem pessoas lá que também procuram amizades verdadeiras. Uma delas eu já encontrei: uma equatoriana chamada Raquel. Ela é show de bola! Mas acho que por termos um cultura muito próxima, foi muito fácil a gente se aproximar e se dar bem. Adoro conversar com ela e olha que conversamos em alemao mesmo! Além dela tem um chinês que também é o máximo. Ele é muito fofo!!!! Se todos (ou a maioria) dos chineses forem iguais a ele, só posso mesmo é torcer pra que a China se torne a próxima potência mundial!!! ((((-: Na boa, qualquer coisa é melhor do que os EUA pra mim. Sorry!

É, como vocês podem ver, primeiro vem as flores e depois os espinhos. Os espinhos ferem, mas as feridas logo cicatrizam e por último uma pele novinha aparece. Esse é o ciclo da vida e em um MBA na Alemanha nao é nada diferente.

E a primeira prova? Já é passado, agora é só esperar o resultado e assim que tiver esse escrevo um post aqui contando sobre esse primeiro desafio prático.

[pinit count="vertical"]

8 Comentários para "MESTRADO – O primeiro mês e (já) a primeira prova"

  1. Liza disse:

    Maira,
    imagino o quanto deve estar sendo dificil, mas tenha forca e saiba que voce vai conseguir, ou melhor voce ja conseguiu. Esta ai por que eh especial, por que merece esse lugar. As dificuldades virao e voce passara por elas e logo vai morrer de rir lembrando que chorou por isso. E quando se entristecer chore, mas faca disso um estimulo para continuar e vencer os obstaculos. Muitas vezes na vida recebemos um NAO, mas lembre-se que nesse momento a vida nos abre um leque de SIMs.
    Estou torcendo muito por voce, apesar de nao conhece-la pessoalmente ja tenho um carinho muito grande por vc.
    Um abraco bem apertado e que te transmita muita forca e a certeza que vc eh capaz de muito mais do que imagina!
    Liza

  2. Mila disse:

    Maira,
    acho q nem preciso falar nada, é só vc ler seus primeiros posts, (andei fazendo isso para me animar a estudar) vc achando dificil o basico, die, der, das, e hj esta fazendo um MBA em alemão…olha o tanto q vc caminhou…e sei que vai continuar caminhando…então força mulher…sei q não é nada facil….quase morri na aula hj para aprender o passado…mas um dia vou olhar para traz e dar risada disso, igual vc vai fazer qdo se lembrar do q esta passando agora…
    milhoes de beijos
    Mila

  3. Samantha disse:

    Ma… nao esquenta não… depois que o Obama falou que o Lula é o cara… o pessoal do Brasil vai arrasar no mundo… A gente com jeitinho e “enxergando” melhor, vai acertando tudo… ate o final do curso, acho que vc e que vai ter mais experiencia internacional do que os alemaes, e eles e que vao querer escutar o que vc tem a dizer!!!… Como uma boa brasileira, mulher e engenheira… :-) Levanta, sacode e poeira e dá a volta por cima…
    Bjs

  4. Sandra Santos disse:

    Oi Maira,
    Acho que vc continua com uma tendencia de tentar analisar todas as pessoas de um determinado lugar da mesma forma, e isso nem sempre funciona. Existem pessoas de todos os tipos em todos os cantos do mundo. Nao há uma prova de honestidade ou de sinceridade para se ganhar o passaporte xyz. Pense nisso. No mais, concordo com o fato de que vc deveria se cobrar menos. Aceitar nossas limitacoes nao significa que somos menos válidos. Mas significa “pegar leve”, colocar menos pressao na coisa. Uma coisa é certa: vc é capaz! E como! Pense sempre nisso, e as dificuldades vao ir diminuindo a cada semana.
    Um beijo grande e boa páscoa pra vc e pro Ro!
    Sandra

    • Maira disse:

      Oi Sandra! Nao é tendência nao, é ser humano. Todos nós tendemos (nem q seja lááá no fundo) a analisar um lugar nos baseando no que encontramos pela frente ou no que a média representa e eu sempre ouvi falar que os alemaes sao sinceros e era uma das coisas que eu admirava neles, pois no Brasil, pra mim, a maioria das pessoas tem tendência a querer agradar, mas nem sempre sao verdadeiras e sinceras. Só que, pra mim, que só vivo aqui dois anos, encontrar alemaes falsos foi um choque e destrui meu castelo de areia. Entendo o que vc quer dizer e nunca disse o contrário, mas entenda que pra muita gente é preciso mais do que dois anos pra entender muita coisas num lugar totalmente diferente. Se eu analisasse realmente todos da mesma forma, nao teria amigos de verdade alemaes e isso nao é verdade. Conheco 3 alemaes que moram no meu coracao e sao seres humanos fantásticos e extremamente sinceros! Acho que a culpa é deles…hahahahaha… Obrigada pelo apoio!!!! Boa páscoa pra vcs ai também!!! Bjks! Má

    • Maira disse:

      Ah Sandra! Esqueci de dizer algo… eu acho que você está certa e te admiro por conseguir trazer essa postura teórica para a prática. Sem dúvida temos todos os tipos de pessoas em todo o mundo, mas eu ainda acredito que existem maiorias dentro de um todo e é através dessa maioria que podemos nos arriscar a dizer que “a maioria” (e nao todos) sao assim ou assado. Até mesmo os alemaes falam isso sobre eles. Tem um documentário na TV (Kabel 1) que chama “Der durschinitts Deutsche”, onde eles apresentam quem é o alemao na média. Vale a pena assistir! Eu estou adorando, pois lá mesmo aparece um monte de alemao que diz que nao é um típico alemao, ou seja, eles também se generalizam. (((-: Bjks!

  5. Sandra disse:

    Ei Maira,
    Entao entendi sua opiniao: foi de decepcao por perceber que TODOS nao sao iguais, no caso sinceros, é isso? Se for assim, eu também tive uma grande decepcao logo no comeco pois achava o sistema de ensino deles o máximo e meu castelo de areia se desmoronou quando fui perguntada dentro de uma universidade se eu ia todo final de semana pra casa, depois de saberem que eu vinha do Brasil… hehehehehe…
    Boa Páscoa! A gente se fala. Beijos,
    Sandra

  6. Virgínia disse:

    Maira,
    Achei seu blog por acaso enquanto, de palhaçada procurava “simpatias para entrar no mestrado” no google! hauhauhahahahaha!!!
    É sempre assim, a gente fica se sentindo estúpida qdo trava, mas não pode nunca esquecer que já foi mto mais além do que a maioria das pessoas, e que isso tb prova a nossa capacidade intelectual, no caso do meio acadêmico. Boa sorte!!!!

Deixe seu Comentário





* Campos de preenchimento obrigatório