Reflexões

SENTIMENTOS – O que é mais importante na vida?

Profunda essa pergunta, né? Mas me pergunto isso todo santo dia: “Maira o que é mais importante pra você na vida?”. Me pergunto isso, pois todos os dias me vejo cara a cara com decisoes difíceis a serem feitas na minha vida pessoal, logo fico ponderando o que é mais importante e o que pode ser deixado de lado ou o que pode ser adiado, sabendo que 100% de realizacao é algo, ironicamente, empírico e nao realizável. (((-:

Aos poucos acabei percebendo que nao existe nada e nem ninguém que é de uma forma geral e única “a coisa/pessoa mais importante na vida”. O que existem sao as coisas/pessoas mais importantes num determinado período/momento da nossa vida. Parece óbvio, mas na prática nao costumar ser. Acredite. Principalmente quando você esbarra em paradigmas pessoais a serem quebrados. Pois é, eu sei bem do que estou falando.

Você nao pode querer decidir o que vai fazer ou o que nao vai fazer daqui há 5 anos hoje, pois daqui há 5 anos seus valores provavelmente terao mudado, suas prioridades serao outras, seus “deadlines” serao outros, sua bagagem será completamente diferente do que é hoje. É por isso que existem as máximas que dizem: “Nunca diga nunca.” ou “Viva cada dia como se fosse único”. Todo mundo diz isso quando dá conselhos, mas raramente alguém segue isso na íntegra.

Nao é fácil entender e aceitar esse processo, pois é preciso ter paciência para decidir o que tem que ser decidido no tempo certo. Temos medo que o que parece ser o tempo certo, seja na verdade tarde demais. Atropelamos tudo por causa de ansiedade e falta de fé. É humano e você e eu nao somos os únicos que fazem isso. Nós somos responsáveis pela agenda da nossa vida e é nossa responsabilidade controlá-la e respeitar os prazos de realizacao. Somos nós os gerentes da nossa vida e morrer nada mais é do que ser um gerente demitido ou, de forma otimista, um gerente sendo promovido para os projetos celestiais. (((-: É preciso saber esperar, é preciso saber sentir respostas, sabendo que nao necessariamente virao como respostas. Sim, existem muitas respostas que vem inclusive na forma de perguntas e outras nao precisam de nada mais do que um sorriso pra transmití-las.

Decidi levar essa tarefa a sério: administrar minha vida como sendo algo completamente mutável (na verdade sempre foi…hahaha) e influenciável por fatores/meio externos. Decidi viver hoje. Decidi planejar, mas desisti de fixar planos e ideias. Decidi ser mais flexível com meu futuro (mas atencao nao deixei de ter sempre metas!) e confiar mais na minha intuicao. Decidi aceitar que a Maira que existia antes, ainda existe, mas mudou muito. Essa talvez seja a parte mais difícil, pois muito do que a Maira de 2007 defendeu nesse blog, a Maira de 2009 discorda (talvez eu deva alertar sobre isso nos posts revoltados de 2007…hahaha). Bom, quem conhece a essência imutável da Maira, sabe que pra assumir isso ela precisa pisotear seu orgulho extremo. Mas, a partir do momento que sua vida está nas suas maos e que você definitivamente assume isso, orgulho excessivo torna-se desnecessário e incompatível com qualquer forma de evolucao do ser humano nesse contexto. Também aprendi isso desde que cheguei aqui. (((-:

Comecei a viver dessa forma há algum tempo e desde entao muita coisa boa aconteceu na minha vida. De repente comecei a conhecer “casualmente” pessoas maravilhosas, vívidas, livres, maduras, criativas, autênticas, corajosas, alegres, amigas. Simplesmente mágico! Comecei a ter perto mim aqui na Alemanha, pessoas que sao exatamente como eu gostaria que pessoas ao meu lado fossem e, pra isso, eu só precisei decidir aceitar que a vida pode me levar para o lugar certo, sem eu precisar puxar o volante pra onde eu quero ir. Quando cheguei aqui parecia aquelas situacoes onde você está dirigindo e de repente vê uma velhinha atravessando na frente do carro, ai você (por causa do pânico) solta o volante e poe as maos na cabeca demonstrando desespero (nao, você nao acelera pra cima da velhinha…hahaha). Soltando o volante por causa do pânico, você segue com o carro desgovernado. Perde totalmente o controle do carro  (aqui sua vida). Quando o susto maior passa/choque, você agarra no volante com toda sua forca, como que dizendo: “Agora você está sob o meu controle.” Com o tempo, conforme você vai esquecendo aquele trauma, você comeca a pegar mais leve no volante, confiando mais no carro e torcendo pra que nenhuma velhinha desgovernada apareca na sua frente de novo. (((-: É isso, cheguei em uma fase do processo “viver longe de casa e sem trabalho” onde decidi segurar leve no volante de novo, pra dar chance à vida de me levar para um lugar melhor, pois eu só posso me direcionar para àquilo que eu já conheco ou já ouvi falar, mas a vida… ah a vida… ela sim pode nos levar para onde está nossos sonhos e realizacoes.

Entao deixe a vida te levar e concentre-se apenas em sentir a vida, pois ela é curta, porém pode ser intensa. Depende de nós e de mais ninguém (mas cuidado com as velhinhas no meio da rua.. (((-: ).

[pinit count="vertical"]

2 Comentários para "SENTIMENTOS – O que é mais importante na vida?"

  1. valeriaamoris disse:

    Ontem fiquei “matutando” sobre isso…

    …+ uma vez, obrigada pela resposta!! Vc é inacreditável. Singular!!

    AMO-TE muié!!

    Bjs,

  2. Sandra Santos disse:

    Oi Maira,
    Este é um dos seus posts mais bonitos de todos os tempos. Adorei. Uma das frases mais legais: “Somos nós os gerentes da nossa vida e morrer nada mais é do que ser um gerente demitido ou, de forma otimista, um gerente sendo promovido para os projetos celestiais”… hehehehe….
    É preciso ter grandeza para admitir (e perceber) mudancas. Que bom que a vida está te levando pra novos lugares e pessoa dos quais vc está gostando.
    Um beijo e bom final de semana,
    Sandra

Deixe seu Comentário





* Campos de preenchimento obrigatório