Day by day

Stuttgart, 17 de julho de 2010

Desde o último relato muita coisa já mudou. Meu peito já cresceu, minha cintura tá ficando quadrada e mal consigo me manter acordada por mais de 3 horas seguidas. Também acho que meu quadril deu uma alargada e minha barriga tá parecendo inchada e bem durinha, mas nada que pareca uma barriga de grávida.

Mas, apesar de todas essas mudanças no corpo estou emagrecendo. Já li que para algumas grávidas isso é normal, mas estou acompanhando pra falar para o médico, pois a preocupação com isso também é normal.

É um período bem estranho, pois percebe seu corpo e seu comportamento mudando, mas não se sente realmente grávida. Acho que é porque nosso feijão ainda é um feijão e porque minha barriga ainda é uma barriga normal. Além disso, não ter a familia por perto também ajuda a diminuir o sentimento de “estar grávida”, pois não tem aquele paparico todo e tal. É só o Rô me paparicando, o que é fofo, mas é só um. :-D

Continuo me sentindo muuuuuito cansada e essa semana decidi me entregar ao sono. Sim, estava relutante em dormir sempre que me dava sono, mas um dia dormi mesmo sem querer e percebi que acordei super disposta e me mantive assim por inacreditáveis 3 horas! Bom, antes ter 3 horas úteis no dia do que nenhuma, certo?

Estou comendo de forma extremamente saudável e bebendo água até dizer chega, mas estou estranhando essa fome toda. Sempre achei triste que não era uma pessoa de sentir fome frequentemente, mas agora só sinto cansaço e fome. Fico pensando o que vou cozinhar para o almoço, considerando proteínas, vitaminas, minerais e calorias. Tá rindo? É sério. Só penso em comida, mas não pode ser qualquer uma, afinal sou seletiva e não tô afim de engordar mais do que o mínimo necessário. Já imaginou eu, baixinha e gorda durante a gravidez? Vou parecer uma daquelas bonequinhas russas matriasca. Pois é, todo cuidado é pouco.

Pra dormir também não está nada fácil, pois meu peito já comecou a doer e ai tenho que dormir ou de barriga pra cima ou de lado. Sei que tenho que me acostumar a dormir de lado, aliás do lado esquerdo segundo a literatura moderna, mas tá difícil me acostumar.

Meu cabelo estava caindo HORRORES e ai perdi a paciência e cortei um pouco hoje. Só dei uma repicada pra diminuir o volume e principalmente pra diminuir o tamanho da maioria dos fios. Ficou uma belezinha! Essa é a vantagem de ser filha de cabeleireira. :-D

Hoje fomos no centro de Stuttgart e percebi que é só quando estamos grávidas que começamos a ver somente grávidas e bebês na nossa frente. É incrível! Eu nunca tinha reparado como tem grávida nas ruas, mas agora vejo elas por todos os lados. Eu hein! Ai começo a ver as mães e pais com seus filhotes e a pensar em como é fantástico todo esse processo de deixar de ser apenas filha para assumir o papel de mae. É algo gigante e apaixonante. Mas, admito, dá um meeeedo.

Também ando sofrendo de ansiedade, principalmente para a próxima consulta com o médico. Não vejo a hora de ver se o baby tá se desenvolvendo direitinho e de pegar meu “Mutterpass” também, pra começar os preparativos. Xiiii, essa parte é longa pra explicar, mas vamos lá.

O “Mutterpass” é um documento que a mãe tem que carregar com ela por toda a gravidez aqui na Alemanha. Nesse documento serão registrados TODOS os dados referentes ao histórico da gravidez da mulher, sendo assim em qualquer situação, qualquer médico poderá atuar com segurança em um tratamento para a grávida portadora do “Mutterpass”. Isso porque aqui na Alemanha não é necessariamente o médico que faz o seu pré-natal que irá fazer o seu parto. Existem casos em que é o mesmo, mas não são comuns. Então eles registram tudinho nesse documento e mesmo que o médico que fez seu pré-natal tenha um infarto, você não ficará em apuros, pois todos seus dados estão registrados e poderão ser utilizados por um outro médico. Eu, sinceramente, acho isso fantástico!

A mulher só recebe o “Mutterpass” após a 8 semanas de gestação, então na próxima consulta já vou pegar o meu e comecar a maratona de verdade. Que maratona? Explico nos próximos capítulos.

[pinit count="vertical"]

Nenhum Comentário para "Stuttgart, 17 de julho de 2010"

  1. Karen disse:

    QUE DEMAIS!!! Mais um ser de luz a caminho!!!!
    Meu, tá passando um filme na minha cabeça. Esse sono todo, vixi Maria! Na gravidez do Dudu eu acordava às 7 h pra ir trabalhar e dava um cochilada às 8 h, quando chegava no trabalho – era irresistível – e na gravidez da Helena, a hora do sonho era 7 h da noite, exatamente a mesma em que começava minha aula na Facu!!! Do mais, as duas gestações foram deliciosas.
    As transformações, o se sentir e o sentir o bebê, o acrescentar uma nova visão do mundo e tudo o mais que pouco a pouco vai tomando conta … ai, ai!

Deixe seu Comentário





* Campos de preenchimento obrigatório